~#ÁLVARES DE AZEVEDO#~

Author: Ravenna Raven: /

Álvares de Azevedo
12-09-1831 * 25-04-1852

Filho de Inácio Manuel Álvarez de Azevedo e Maria Luísa Mota Azevedo, passou a infância no Rio de Janeiro, onde iniciou seus estudos. Voltou a São Paulo (1847) para estudar na faculdade de Direito do Largo de São Francisco, onde desde logo ganhou fama por brilhantes e precoces produções literárias. Destacou-se pela facilidade de aprender línguas e pelo espírito jovial e sentimental.

Durante o curso de Direito traduziu o quinto ato de Otelo, de Shakespeare; traduziu Parisina, de Lord Byron; fundou a revista da Sociedade Ensaio Filosófico Paulistano (1849); fez parte da Sociedade Epicureia; e iniciou o poema épico O Conde Lopo, do qual só restaram fragmentos.

Não concluiu o curso, pois foi acometido de uma tuberculose pulmonar nas férias de 1851-52, a qual foi agravada por um tumor na fossa ilíaca, ocasionado por uma queda de cavalo, falecendo aos 21 anos. A sua obra compreende: Poesias diversas, Poema do Frade, o drama Macário, o romance O Livro de Fra Gondicário, Noite na Taverna, Cartas, vários Ensaios (Literatura e civilização em Portugal, Lucano, George Sand, Jacques Rolla), e a sua principal obra Lira dos vinte anos (inicialmente planejada para ser publicada num projeto - As Três Liras - em conjunto com Aureliano Lessa e Bernardo Guimarães).

É patrono da cadeira 2 da Academia Brasileira de Letras.

Machado de Assis publicou no jornal “Semana Literária”, em 26 de junho de 1866 uma análise de Lira dos vinte anos.

Atualmente tem suscitado alguns estudos acadêmicos, dos quais sublinham-se "O Belo e o Disforme", de Cilaine Alves Cunha (EDUSP, 2000), e "Entusiasmo indianista e ironia byroniana" (Tese de Doutorado, USP, 2000); "O poeta leitor. Um estudo das epígrafes hugoanas em Álvares de Azevedo", de Maria C. R. Alves (Dissertação de Mestrado, USP, 1999); "Álvares de Azevedo: A busca de uma literatura consciente", de Gilmar Tenorio Santini (Dissertação de Mestrado, UNESP, 2007).

Suas principais influências são: Lord Byron, Goethe, François-René de Chateaubriand, mas principalmente Alfred de Musset.

Um aspecto característico de sua obra e que tem estimulado mais discussão, diz respeito a sua poética, que ele mesmo definiu como uma "binomia", que consiste em aproximar extremos, numa atitude tipicamente romântica. É importante salientar o prefácio à segunda parte da Lira dos Vinte Anos, um dos pontos críticos de sua obra e na qual define toda a sua poética.

No segundo prefácio de Lira dos Vinte Anos, o seu autor nos revela a sua intencionalidade e o vincula de tal maneira ao texto poético, que a gratuidade e autonomia perde espaço e revela a intencionalidade do poeta, isto é, explicação de temas, motivos e outros elementos.

O autor de Lira dos Vinte Anos estabelece valores e critérios a sua obra. Revela-se assim, uma verdadeira teorização programada da obra, transformando-se numa verdadeira teoria do conhecimento dos textos poéticos apresentados.

É evidente a explicitação de Álvares de Azevedo nessa postura consciente do fazer poético, afinal em seus prefácios há um alto grau de conhecimento quanto à proposta ultra-romântica, a qual exibe um certo metarromantismo marcada pelo senso crítico.

É o primeiro a incorporar o cotidiano na poesia no Brasil, com o poemas Ideias íntimas, da segunda parte da Lira.

Segundo alguns pesquisadores, Álvares de Azevedo que teria escolhido o título "As Três Liras", pois havia uma garota - que até hoje ninguém sabe a identidade, muito bem escondida pelo Dr. Jaci Monteiro - que tocava esse instrumento.

Figura na antologia do cancioneiro nacional. E foi muito lido até as duas primeiras décadas do século XX, com constantes reedições de sua poesia e antologias. As últimas encenações de seu drama Macário foram em 1994 e 2001.


Lembrança de morrer

Quando em meu peito rebentar-se a fibra
Que o espírito enlaça à dor vivente,
Não derramem por mim nem uma lágrima
Em pálpebra demente.


E nem desfolhem na matéria impura
A flor do vale que adormece ao vento:
Não quero que uma nota de alegria
Se cale por meu triste passamento.

Eu deixo a vida como deixa o tédio
Do deserto, o poento caminheiro
— Como as horas de um longo pesadelo
Que se desfaz ao dobre de um sineiro;

Como o desterro de minh'alma errante,
Onde fogo insensato a consumia:
Só levo uma saudade — é desses tempos
Que amorosa ilusão embelecia.

Só levo uma saudade — é dessas sombras
Que eu sentia velar nas noites minhas...
De ti, ó minha mãe, pobre coitada
Que por minha tristeza te definhas!

De meu pai... de meus únicos amigos,
Poucos — bem poucos — e que não zombavam
Quando, em noite de febre endoudecido,
Minhas pálidas crenças duvidavam.

Se uma lágrima as pálpebras me inunda,
Se um suspiro nos seios treme ainda
É pela virgem que sonhei... que nunca
Aos lábios me encostou a face linda!

Só tu à mocidade sonhadora
Do pálido poeta deste flores...
Se viveu, foi por ti! e de esperança
De na vida gozar de teus amores.

Beijarei a verdade santa e nua,
Verei cristalizar-se o sonho amigo....
Ó minha virgem dos errantes sonhos,
Filha do céu, eu vou amar contigo!

Descansem o meu leito solitário
Na floresta dos homens esquecida,
À sombra de uma cruz, e escrevam nelas
— Foi poeta — sonhou — e amou na vida.—

Sombras do vale, noites da montanha
Que minh'alma cantou e amava tanto,
Protegei o meu corpo abandonado,
E no silêncio derramai-lhe canto!

Mas quando preludia ave d'aurora
E quando à meia-noite o céu repousa,
Arvoredos do bosque, abri os ramos...
Deixai a lua prantear-me a lousa!

Luar de verão

O que vês, trovador? - Eu vejo a lua
Que sem lavar a face ali passeia;
No azul do firmamento inda é mais pálida
Que em cinzas do fogão uma candeia.

O que vês, trovador? - No esguio tronco
Vejo erguer-se o chinó de uma nogueira...
além se encontra a luz sobre um rochedo
Tão liso como um pau de cabeleira.

Nas praias lisas a maré enchente
S'espraia cintilante d'ardentia...
Em vez de aromas as doiradas ondas
Respiram efluviosa maresia!

O que vês, trovador? - No céu formoso
Ao sopro dos favônios feiticeiros
Eu vejo - e tremo de paixão ao vê-las -
As nuvens a dormir, como carneiros.

E vejo além, na sombra do horizonte,
Como viúva moça envolta em luto,
Brilhando em nuvem negra estrela viva
Como na treva a ponta de um charuto.

Teu romantismo bebo, ó minha lua,
A teus raios divinos me abandono,
Torno-me vaporoso... e só de ver-te
Eu sinto os lábios meus se abrirem de sono.

Malva maçã

De teus seios tão mimosos
Quem gozasse o talismã!
Que ali deitasse a fronte
Cheia de amoroso afã!

E quem nele respirasse
A tua malva-maçã!


Dá-me essa folha cheirosa
Que treme no seio teu!
Dá-me a folha... hei de beijá-la
Sedenta no lábio meu!
Não vês que o calor do seio
Tua malva emurcheceu..


Descansar nesses teus braços
Fora angélica ventura:
Fora morrer — nos teus lábios
Aspirar tua alma pura!
Fora ser Deus dar-te um beijo
Na divina formosura!


Mas o que peço, donzela,
Meus amores, não é tanto!
Basta-me a flor do seio
Para que eu viva no encanto,
E em noites enamoradas
Eu verta amoroso pranto!


Oh! virgem dos meus amores,
Dá-me essa folha singela!
Quero sentir teu perfume
Nos doces aromas dela...
E nessa malva-maçã


Sonhar teu seio, donzela!

Uma folha assim perdida
De um seio virgem no afã
Acorda ignotas doçuras
Com divino talismã!
Dá-me do seio esta folha
— A tua malva-maçã!


Quero apertá-la a meu peito
E beijá-la com ternura...
Dormir com ela nos lábios
Desse aroma na frescura...
Beijando-a sonhar contigo
E desmaiar de ventura!


A folha que tens no seio
De joelho pedirei...
Se posso viver sem ela
Não o creio!... oh! eu não sei!...
Dá-ma pelo amor de Deus,
Que sem ela morrerei!...


Pelas estrelas da noite,
Pelas brisas da manhã,
Por teus amores mais puros,
Pelo amor de tua irmã,
Dá-me essa folha cheirosa,
— A tua malva-maçã!


Meu anjo

Meu anjo tem o encanto, a maravilha,
Da espontânea canção dos passarinhos;
Tem os seios tão alvos, tão macios
Como o pêlo sedoso dos arminhos.

Triste de noite na janela a vejo
E de seus lábios o gemido escuto.
É leve a criatura vaporosa
Como a froixa fumaça de um charuto.

Parece até que sobre a fronte angélica
Um anjo lhe depôs coroa e nimbo...
Formosa a vejo assim entre meus sonhos
Mais bela no vapor do meu cachimbo.

como o vinho espanhol, um beijo dela
Entorna ao sangue a luz do paraíso.
Dá morte num desdém, num beijo vida,
E celestes desmaios num sorrizo!

Mas quis a minha sina que seu peito
Não batesse por mim nem um minuto,
E que ela fosse leviana e bela
Como a leve fumaça de um charuto!


~☥William Shakespeare☥~

Author: Ravenna Raven: /

Shakespeare:

Shakespeare é considerado um dos mais importantes dramaturgos e escritores de todos os tempos. Seus textos literários são verdadeiras obras de arte e permaneceram vivas até os dias de hoje, onde são retratadas freqüentemente pelo teatro, televisão, cinema e literatura.
Nasceu em 23 de abril de 1564, na pequena cidade inglesa de Stratford-Avon. Nesta região começa seus estudos e já demonstra grande interesse pela literatura e pela escrita. Com 18 anos de idade casou-se com Anne Hathaway e, com ela, teve três filhos. No ano de 1591 foi morar na cidade de Londres, em busca de oportunidades na área cultural. Começa escrever sua primeira peça, Comédia dos Erros, no ano de 1590 e termina quatro anos depois. Nesta época escreveu aproximadamente 150 sonetos.

Embora seus sonetos sejam até hoje considerados os mais lindos de todos os tempos, foi na dramaturgia que ganhou destaque. No ano de 1594, entrou para a Companhia de Teatro de Lord Chamberlain, que possuía um excelente teatro em Londres. Neste período, o contexto histórico favorecia o desenvolvimento cultural e artístico, pois a Inglaterra vivia os tempos de ouro sob o reinado da rainha Elisabeth I. O teatro deste período, conhecido como teatro elisabetano, foi de grande importância. Escreveu tragédias, dramas históricos e comédias que marcam até os dias de hoje o cenário teatral.

Os textos de Shakespeare fizeram e ainda fazem sucesso, pois tratam de temas próprios dos seres humanos, independente do tempo histórico. Amor, relacionamentos afetivos, sentimentos, questões sociais, temas políticos e outros assuntos, relacionados a condição humana, são constantes nas obras deste escritor.

No ano de 1610, retornou para Stratford, sua cidade natal, local onde escreveu sua última peça, A Tempestade, terminada somente em 1613. Em 23 de abril de 1616 faleceu o maior dramaturgo de todos os tempos, de causa ainda não identificada pelos historiadores.

Principais obras :

COMEDIAS:

-O Mercador de Veneza
-Sonho de uma noite de verão
-A Comédia dos Erros
-Os dois fidalgos de Verona
-Muito barulho por coisa nenhuma
-Noite de reis
-Medida por medida
-Conto do Inverno
-Cimbelino
-Megera Domada
-A Tempestade.

TRAGÉDIAS:

-Tito Andrônico
-Romeu e Julieta
- Julio César
-Macbeth
-Antônio e Cleópatra
-Coriolano
- Timon de Atenas
- O Rei Lear
-Otelo
-Hamlet

DRAMAS HISTÓRICOS:

- Henrique IV
-Ricardo III
-Henrique V
-Henrique VIII.


- Shakespeare - Vidas Ilustradas
Autor: Holden, Anthony
Editora: Ediouro - RJ

- Shakespeare - Coleção L&pm Pocket - Série Biografias
Autor: Mourthé, Claude
Editora: L&PM

FRASES DE SHAKESPEARE:

~>Dê a todos seus ouvidos, mas a poucos a sua voz."
William Shakespeare

~>Antes ter um epitáfio ruim do que a maledicência durante toda a vida."
William Shakespeare

~>Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o que, com freqüência, poderíamos ganhar, por simples medo de arriscar.
William Shakespeare

~>Todo mundo é capaz de dominar uma dor, exceto quem a sente.
William Shakespeare

~>Choramos ao nascer porque chegamos a este imenso cenário de dementes.
William Shakespeare

~>Conservar algo que possa recordar-te seria admitir que eu pudesse esquecer-te.
William Shakespeare

~>Lutar pelo amor é bom, mas alcançá-lo sem luta é melhor.
William Shakespeare

~>A suspeita sempre persegue a consciência culpada; o ladrão vê em cada sombra um policial
William Shakespeare

~>Lamentar uma dor passada, no presente, / é criar outra dor e sofrer novamente.
William Shakespeare

~>É mais fácil obter o que se deseja com um sorriso do que à ponta da espada.
William Shakespeare

~>A paixão aumenta em função dos obstáculos que se lhe opõe.
William Shakespeare

~>Os homens de poucas palavras são os melhores.
William Shakespeare

~>Aceita o conselho dos outros, mas nunca desistas da tua própria opinião.
William Shakespeare

~>Sofremos muito com o pouco que nos falta e gozamos pouco o muito que temos.
William Shakespeare

~>O amor não se vê com os olhos mas com o coração.
William Shakespeare

~>É um amor pobre aquele que se pode medir.
William Shakespeare

~>A alegria evita mil males e prolonga a vida.
William Shakespeare

~>O amor é como a criança: deseja tudo o que vê.
William Shakespeare

~>Chorar sobre as desgraças passadas é a maneira mais segura de atrair outras.
William Shakespeare

~>O diabo pode citar as Escrituras quando isso lhe convém.
William Shakespeare

~>Chorar é diminuir a profundidade da dor.
William Shakespeare

~>Quando fala o amor, a voz de todos os deuses deixa o céu embriagado de harmonia.
William Shakespeare

~>Os homens deviam ser o que parecem ou, pelo menos, não parecerem o que não são.
William Shakespeare

~>Ser grande, é abraçar uma grande causa.
William Shakespeare

~>Sabemos o que somos, mas não sabemos o que poderemos ser.
William Shakespeare

~>A gratidão é o único tesouro dos humildes.
William Shakespeare

~>É muito melhor viver sem felicidade do que sem amor.
William Shakespeare

~>O casamento faz de duas pessoas uma só, difícil é determinar qual será.
William Shakespeare

~>Em tempo de paz convém ao homem serenidade e humildade; mas quando estoura a guerra deve agir como um tigre!
William Shakespeare

~>Os covardes morrem várias vezes antes da sua morte, mas o homem corajoso experimenta a morte apenas uma vez.
William Shakespeare

~>Aquele que gosta de ser adulado é digno do adulador.
William Shakespeare

~>Se fiz alguma coisa boa em toda a minha vida, dela me arrependo do fundo do coração.
William Shakespeare

~>O que não dá prazer não dá proveito. Em resumo, senhor, estude apenas o que lhe agradar.
William Shakespeare

~>Ó beleza! Onde está tua verdade?
William Shakespeare

~>Ser ou não ser: eis a questão.
William Shakespeare

~>Quem cedo e bem aprende, tarde ou nunca esquece. Quem negligencia as manifestações de amizade, acaba por perder esse sentimento.
William Shakespeare

~>É preferível suportar os males que temos do que voar para aqueles que não conhecemos.
William Shakespeare

~>O destino é o que baralha as cartas, mas nós somos os que jogamos.
William Shakespeare

~>Mostre-me um homem que não seja escravo das suas paixões.
William Shakespeare

~>Não existe o bom ou o mau; é o pensamento que os faz assim.
William Shakespeare

~>É um péssimo cozinheiro aquele que não pode lamber os próprios dedos.
William Shakespeare

~>Consciência é uma palavras usada pelos covardes, para incutir medo aos fortes.
William Shakespeare

~☥FRASES MARCANTES☥~

Author: Ravenna Raven: /



~"É a vida? Mesmo assim ela me escaparia. Outro modo de captá-la seria viver. Mas o sonho é mais completo que a realidade, esta me afoga na inconsciência. O que importa afinal: viver ou saber que se está vivendo?" -Clarice Lispector 


 ~"Olhe, tenho uma alma muito prolixa e uso poucas palavras. Sou irritável e firo facilmente. Também sou muito calmo e perdôo logo. Não esqueço nunca. Mas há poucas coisas de que eu me lembre.... -Clarice Lispector 


 ~"Sou como você me vê. Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania, Depende de quando e como você me vê passar.... -Clarice Lispector 


 ~"Quem quiser vencer na vida deve fazer como os seus sábios: mesmo com a alma partida, ter um sorriso nos lábios. -Dinamor 


 ~"Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato... Ou toca, ou não toca.... -Clarice Lispector 


 ~"Muitos foram os que desceram pelo abismo do inconsciente, sem conseguir voltar. Os manicômios são sua moradias, pois deles são o reino da insentatez. Outros - muitos poucos, apenas os escolhidos - seriam capazes de contar o que há por trás da loucura..." -H.P.Lovecraft 


 ~"Amo a liberdade, por isso, tudo o que amo deixo livre. Se voltam, sei que é porque as conquistei; se não, sei que é porque jamais na verdade estiveram aqui". 


 ~"A liberdade não morrerá enquanto houver alguém morrendo por ela." 


 ~"É preciso se suportar duas ou três larvas se quiser apreciar as borboletas." -Antoine de Saint 


 ~"Devemos ouvir o silêncio não como um surdo, e sim como um cego" 
-Fernando Sabino 


 ~"A poesia imortaliza tudo o que há de melhor e de mais belo no mundo." -Mary Shelley 


 ~"É absurdo que alguém tenha uma regra rígida e imutável para aquilo que deve ou não deve ler. Mais da metade da cultura moderna depende daquilo que a pessoa não deveria ler." -Oscar Wilde


 ~"E é sempre a mesma mágoa, o mesmo tédio, a mesma angústia funda, sem remédio, andando atrás de mim, sem me largar" - Florbela Espanca 


 ~"A única maneira de se livrar de uma tentação é ceder-lhe... Resistamo-lhe, e a nossa alma adoecerá de desejo do que proibimos a nós mesmos, do que as suas leis montruosas tornaram montruoso e ilegítimo..." -Oscar Wilde 


 ~"Não acredito em vida após a morte, por isso não preciso passar toda minha vida temendo o inferno, ou temendo o céu mais ainda. Quaisquer que sejam as torturas do inferno, penso que a chatice do céu seria ainda pior." -Isaac Asimov 


~"Difícil é ganhar um amigo em uma hora; fácil é ofendê-lo em um minuto. -Provérbio chinês 


 ~"A moderação é uma coisa fatal... Nada tem mais sucesso do que o excesso. -Oscar Wilde 


 ~"Há três métodos para ganhar sabedoria: primeiro, por reflexão, que é o mais nobre; segundo, por imitação, que é o mais fácil; e terceiro, por experiência, que é o mais amargo. -Confúcio 


 ~"Não conheço nenhuma fórmula infalível para obter o sucesso, mas conheço uma forma infalível de fracassar: tentar agradar a todos" -John F. Kennedy 


 ~"Nada é mais humilhante do que ver os tolos vencer naquilo em que fracassámos. Gustave Flaubert


 ~"Apenas é igual a outro quem prova sê-lo e apenas é digno da liberdade quem a sabe conquistar. Charles Baudelaire


~"Os encantos do Horror só embriagam os forte!" Charles baudelaire 


 ~"Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém... Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim... E ter paciência para que a vida faça o resto... -William Shakespeare 


 ~"A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador." - William Shakespeare 


 ~"A glória é como o círculo na água; nunca cessa de se dilatar até que, à força de se expandir, se perde no nada."- William Shakespeare 


 ~"Não é digno de saborear o mel, aquele que se afasta da colméia com medo das picadelas das abelhas."- William Shakespeare 


 ~"Nós somos feitos do tecido de que são feitos os sonhos."- William Shakespeare 


~"Existem mais coisas entre o céu e a terra do que sonha a nossa vã filosofia."- William Shakespeare 


 ~"Os homens deviam ser o que parecem ou, pelo menos, não parecerem o que não são."- William Shakespeare 


 ~"Quão escuro um pesar! Mas quão bela a esperança! ~ Edgar Allan Poe 


 ~"Para se ser feliz até um certo ponto é preciso ter-se sofrido até esse mesmo ponto. - Edgar Allan Poe 


~"Mas assim como na ética o mal é uma conseqüência do bem, assim, com efeito, da nossa alegria tem nascido a dor. - Edgar Allan Poe 


 ~"Talvez seja a própria simplicidade do assunto o que nos conduz ao erro.- Edgar Allan Poe 


 ~"Quando um louco parece completamente sensato, já é o momento de pôr-lhe a camisa de força. -Edgar Allan Poe 


 ~"A ciência não nos ensinou ainda se a loucura é ou não o mais sublime da inteligência. -Edgar Allan Poe 


~"Os que sonham de dia são conscientes de muitas coisas que escapam aos que sonham só de noite. ~Edgar Allan Poe 


 ~"A emoção mais antiga e mais forte da humanidade é o medo, e o mais antigo e mais forte de todos os medos é o medo do desconhecido."H.P. Lovecraft 


 ~"Aquilo que não está morto pode jazer eternamente e com eras estranhas, até a morte pode morrer - H. P. Lovecraft



~☥FLORBELA ESPANCA ☥~

Author: Ravenna Raven: /

*Florbela Espanca*
8*12*1894 - 8*12*1930


Batizada Flor Bela Lobo, Florbela Espanca foi uma das primeiras feministas de Portugal e escreveu uma poesia carregada de erotismo e feminilidade, que alguns críticos encaram como um dom-juanismo no feminino. O sofrimento, a solidão, o desencanto, aliados a imensa ternura e a um desejo de felicidade são a temática presente em muitas das suas imagens e poemas.

Parte de sua inspiração veio de sua vida tumultuada, inquieta, e sofrimentos íntimos provocados pela rejeição paterna. Seu primeiro poema foi escrito em 1903: "A Vida e a Morte".

Filha de Antonia da Conceição Lobo, empregada de João Maria Espanca, que não a reconheceu em vida como filha. João admitiu a paternidade apenas 19 anos após a morte da poeta, quando foi inaugurado um busto dela, em Évora. E isso depois da insistência de fãs da obra de Florbela.

Com a morte de Antonia, de uma doença desconhecida, em 1908, João e sua mulher Mariana Espanca criaram a menina e seu irmão, Apeles Espanca, nascido em 1897 e registrado da mesma maneira.

Casou-se no dia de seu aniversário, em 1913, com Alberto Moutinho. Concluiu um curso de Letras em 1917 e foi a primeira mulher a cursar Direito na Universidade de Lisboa. Na capital portuguesa conheceu outros poetas e participou de um grupo de mulheres escritoras. Colaborou em jornais e revistas, como o "Portugal Feminino". Em 1919, no terceiro ano de Direito, lançou o Livro de Mágoas. Nessa época, Florbela começou a apresentar sintomas de desequilíbrio mental e sofreu um aborto involuntário.

Em 1921, divorciou-se de Alberto Moutinho, de quem vivia separada havia alguns anos, para casar-se com o oficial de artilharia António Guimarães. Nesse mesmo ano, seu pai se divorciou para esposar Henriqueta Almeida.

Em 1923, ela publicou o "Livro de Sóror Saudade". Florbela sofreu novo aborto, e seu marido pediu o divórcio. Em 1925, a poeta casou-se com o médico Mário Laje, em Matosinhos. A morte do irmão Apeles, num acidente de avião, lhe inspirou o poema "As Máscaras do Destino".

Tentou se matar duas vezes, em outubro e novembro de 1930, às vésperas da publicação de sua obra-prima. Após o diagnóstico de um edema pulmonar, suicidou-se no dia do seu aniversário. "Charneca em Flor" foi publicada em janeiro de 1931.

Outras obras póstumas foram: "Cartas de Florbela Espanca", por Guido Battelli (1930), "Juvenília" (1930), "As Marcas do Destino" (1931, contos), "Cartas de Florbela Espanca", por Azinhal Botelho e José Emídio Amaro (1949), "Diário do Último Ano Seguido De Um Poema Sem Título", com prefácio de Natália Correia (1981), e "Dominó Preto ou Dominó Negro" (1982, contos).
~~~~Tentou se matar duas vezes, em outubro e novembro de 1930, às vésperas da publicação de sua obra-prima. Após o diagnóstico de um edema pulmonar, suicidou-se no dia do seu aniversário. "Charneca em Flor" foi publicada em janeiro de 1931.

Outras obras póstumas foram: "Cartas de Florbela Espanca", por Guido Battelli (1930), "Juvenília" (1930), "As Marcas do Destino" (1931, contos), "Cartas de Florbela Espanca", por Azinhal Botelho e José Emídio Amaro (1949), "Diário do Último Ano Seguido De Um Poema Sem Título", com prefácio de Natália Correia (1981), e "Dominó Preto ou Dominó Negro" (1982, contos).

Horas rubras

Horas profundas,lentas e caladas
Feitas de beijos sensuais e ardentes,
De noites de volúpia, noites quentes
Onde há risos de virgens desmaiadas…

Ouço as olaias rindo desgrenhadas…
Tombam astros em fogo, astros dementes.
E do luar os beijos languescentes
São pedaços de prata p’las estradas…

Os meus lábios são brancos como lagos…
Os meus braços são leves como afagos,
Vestiu-os o luar de sedas puras…

Sou chama e neve branca misteriosa…
E sou talvez, na noite voluptuosa,
Ó meu Poeta, o beijo que procuras!

~***~

Fumo

Longe de ti são ermos os caminhos,
Longe de ti não há luar nem rosas,
Longe de ti há noites silenciosas,
Há dias sem calor, beirais sem ninhos!

Meus olhos são dois velhos pobrezinhos
Perdidos pelas noites invernosas…
Abertos, sonham mãos cariciosas,
Tuas mãos doces, plenas de carinhos!

Os dias são Outonos: choram… choram…
Há crisântemos roxos que descoram…
Há murmúrios dolentes de segredos…

Invoco o nosso sonho! Estendo os braços!
E ele é, ó meu Amor, pelos espaços,
Fumo leve que foge entre os meus dedos!…

~***~

Mistério

Gosto de ti, ó chuva, nos beirados,
Dizendo coisas que ninguém entende!
Da tua cantilena se desprende
Um sonho de magia e de pecados.

Dos teus pálidos dedos delicados
Uma alada canção palpita e ascende,
Frases que a nossa boca não aprende,
Murmúrios por caminhos desolados.

Pelo meu rosto branco, sempre frio,
Fazes passar o lúgubre arrepio
Das sensações estranhas, dolorosas…

Talvez um dia entenda o teu mistério…
Quando, inerte, na paz do cemitério,
O meu corpo matar a fome às rosas!

~* * *~

Lágrimas ocultas

Se me ponho a cismar em outras eras
Em que ri e cantei, em que era q'rida,
Parece-me que foi noutras esferas,
Parece-me que foi numa outra vida...

E a minha triste boca dolorida
Que dantes tinha o rir das Primaveras,
Esbate as linhas graves e severas
E cai num abandono de esquecida!

E fico, pensativa, olhando o vago...
Toma a brandura plácida dum lago
O meu rosto de monja de marfim...

E as lágrimas que choro, branca e calma,
Ninguém as vê brotar dentro da alma!
Ninguém as vê cair dentro de mim!

~* * *~

Nunca mais!

Ó castos sonhos meus! Ó mágicas visões!
Quimeras cor de sol de fúlgidos lampejos!
Dolentes devaneios! Cetíneas ilusões!
Bocas que foram minhas florescendo beijos!

Vinde beijar-me a fronte ao menos um instante,
Que eu sinta esse calor, esse perfume terno;
Vivo a chorar a porta aonde outrora o Dante
Deixou toda a esp'rança ao penetrar o inferno!

Vinde sorrir-me ainda!Hei-de morrer contente
Cantando uma canção alegre, doidamente,
A luz desse sorriso, ó fugitivos ais!

Vinde beijar-me a boca ungir-me de saudade
Ó sonhos cor de sol da minha mocidade!
Cala-te lá destino!... "Ó Nunca, nunca mais!..."

~***~

~☥CRUZ E SOUZA☥~

Author: Ravenna Raven: /

http://www.cyvjosealencar.seed.pr.gov.br/redeescola/escolas/26/700/16/arquivos/Image/poeta_cruz_souza.jpg
CRUZ E SOUZA
24*11*1861 - 19*03*1898

João da Cruz e Sousa (Nossa Senhora do Desterro, 24 de novembro de 1861 — Estação do Sítio, 19 de março de 1898) foi um poeta brasileiro, alcunhado Dante Negro e Cisne Negro. Foi um dos precursores do simbolismo no Brasil.
Filho dos negros alforriados Guilherme da Cruz, mestre-pedreiro, e Carolina Eva da Conceição, João da Cruz desde pequeno recebeu a tutela e uma educação refinada de seu ex-senhor, o Marechal Guilherme Xavier de Sousa - de quem adotou o nome de família, Sousa. A esposa de Guilherme Xavier de Sousa, Dona Clarinda Fagundes Xavier de Sousa, não tinha filhos, e passou a proteger e cuidar da educação de João. Aprendeu francês, latim e grego, além de ter sido discípulo do alemão Fritz Müller, com quem aprendeu Matemática e Ciências Naturais.

Em 1881, dirigiu o jornal Tribuna Popular, no qual combateu a escravidão e o preconceito racial. Em 1883, foi recusado como promotor de Laguna por ser negro. Em 1885 lançou o primeiro livro, Tropos e Fantasias em parceria com Virgílio Várzea. Cinco anos depois foi para o Rio de Janeiro, onde trabalhou como arquivista na Estrada de Ferro Central do Brasil, colaborando também com o jornal Folha Popular. Em Fevereiro de 1893, publica Missal (prosa poética) e em agosto, Broquéis (poesia), dando início ao Simbolismo no Brasil que se estende até 1922. Em novembro desse mesmo ano casou-se com Gavita Gonçalves, também negra, com quem tem quatro filhos, todos mortos prematuramente por tuberculose, levando-a à loucura.

~*LÉSBIA*~

Cróton selvagem, tinhorão lascivo,
Planta mortal, carnívora, sangrenta,
Da tua carne báquica rebenta
A vermelha explosão de um sangue vivo.

Nesse lábio mordente e convulsivo,
Ri, ri risadas de expressão violenta
O Amor, trágico e triste, e passe, lenta,
A morte, o espasmo gélido, aflitivo...

Lésbia nervosa, fascinante e doente,
Cruel e demoníaca serpente
Das flamejantes atrações do gozo.

Dos teus seios acídulos, amargos,
Fluem capros aromas e os letargos,
Os ópios de um luar tuberculoso...

Cruz e Souza / Broquéis (1893).

~***~

~#ENCARNAÇÃO#~

Carnais, sejam carnais tantos desejos,
carnais, sejam carnais tantos anseios,
palpitações e frêmitos e enleios,
das harpas da emoção tantos arpejos...
Sonhos, que vão, por trêmulos adejos,
à noite, ao luar, intumescer os seios
láteos, de finos e azulados veios
de virgindade, de pudor, de pejos...

Sejam carnais todos os sonhos brumos
de estranhos, vagos, estrelados rumos
onde as Visões do amor dormem geladas...

Sonhos, palpitações, desejos e ânsias
formem, com claridades e fragrâncias,
a encarnação das lívidas Amadas!

~***~

~*VELHAS TRISTEZAS*~

Diluências de luz, velhas tristezas
das almas que morreram para a luta!
Sois as sombras amadas de belezas
hoje mais frias do que a pedra bruta.
Murmúrios ncógnitos de gruta
onde o Mar canta os salmos e as rudezas
de obscuras religiões — voz impoluta
de todas as titânicas grandezas.

Passai, lembrando as sensações antigas,
paixões que foram já dóceis amigas,
na luz de eternos sóis glorificadas.

Alegrias de há tempos! E hoje e agora,
velhas tristezas que se vão embora
no poente da Saudade amortalhadas! ...

~***~

~#MÚSICA DA MORTE#~

A música da Morte, a nebulosa,
estranha, imensa música sombria,
passa a tremer pela minh'alma e fria
gela, fica a tremer, maravilhosa ...
Onda nervosa e atroz, onda nervosa,
letes sinistro e torvo da agonia,
recresce a lancinante sinfonia
sobe, numa volúpia dolorosa ...

Sobe, recresce, tumultuando e amarga,
tremenda, absurda, imponderada e larga,
de pavores e trevas alucina ...

E alucinando e em trevas delirando,
como um ópio letal, vertiginando,
os meus nervos, letárgica, fascina ...

~***~

~#ACROBATA DA DOR#~

Gargalha, ri, num riso de tormenta,
como um palhaço, que desengonçado,
nervoso, ri, num riso absurdo, inflado
de uma ironia e de uma dor violenta.
Da gargalhada atroz, sanguinolenta,
agita os guizos, e convulsionado
salta, gavroche, salta clown, varado
pelo estertor dessa agonia lenta ...

Pedem-se bis e um bis não se despreza!
Vamos! retesa os músculos, retesa
nessas macabras piruetas d'aço. . .

E embora caias sobre o chão, fremente,
afogado em teu sangue estuoso e quente,
ri! Coração, tristíssimo palhaço.

~***~

~#DANÇA DO VENTRE#~

Torva, febril, torcicolosamente,
numa espiral de elétricos volteios,
na cabeça, nos olhos e nos seios
fluíam-lhe os venenos da serpente.
Ah! que agonia tenebrosa e ardente!
que convulsões, que lúbricos anseios,
quanta volúpia e quantos bamboleios,
que brusco e horrível sensualismo quente.

O ventre, em pinchos, empinava todo
como réptil abjecto sobre o lodo,
espolinhando e retorcido em fúria.

Era a dança macabra e multiforme
de um verme estranho, colossal, enorme,
do demônio sangrento da luxúria!

~***~

~☥LORD BYRON☥~

Author: Ravenna Raven: /

~#LORD BYRON#~
22*01*1788 - 19*03*1824
George Gordon Noel Byron nasceu em Londres em 22 de janeiro de 1788. Apesar de a princípio sua família ser bastante rica. A riqueza da família Byron foi destruída pelo Capitão John ("Mad Jack") Byron o pai de Jorge Gordon.

A mãe de Byron desesperada, enviou seu filho George Gordon Byron para Aberdeen.Logo depois disso o Capitão Byron, seu pai, morreu com a idade 36 anos na França.
Entretanto, em 1798, com a idade de 10 anos, George Gordon herdou o título nobiliárquico do tio-avô William, tornando-se o sexto Lord Byron, herdou também as propriedades que pertenciam a seu tio-avô e mudou-se para Newstead Abbey, Nottinghamshire, para uma propriedade da família Byron.

Conta-se sobre o lar da família Byron, que antes era a Abadia de Newstead, no condado de Norttingham, que este era assombrado pelo fantasma de um frade malvado que se deliciava com infortúnos alheios.

A Abadia serviu de mosteiro para os cônegos agostinianos durante quase quatrocentos anos.
Mas no século XVI, irado com a oposição da Igreja Católica à anulação de sua união com Catarina de Aragão, Henrique VIII começou a confiscar os bens da Igreja e dividi-los entre alguns de seus nobres.

A Abadia de Newstead coube aos Byron e ficou com a família pelos trezentos anos seguintes. O último Lord Byron a herdá-la foi ninguém menos que o dissoluto poeta romântico, George Gordon, que não só amava a propriedade como lá encontrou alimento para seus poemas no mais notável de seus vários fantasmas: o Frade Negro.

Lord Byron morreu em Missolonghi, em 19 de abril de 1824 por uma estranha febre era conhecido como um destacado poeta britânico e uma das figuras mais influentes do Romantismo.


~#FRASES DE BYRON#~

* A Adversidade é o primeiro caminho para a Verdade.

* Enxugar uma só lágrima merece mais / Honesta fama, do que verter mares de sangue.

* Na sua primeira paixão, a mulher ama o seu amante; em todas as outras, do que ela gosta é do amor.

*Quando tiramos a vida aos homens, não sabemos, nem o que lhes tiramos, nem o que lhes damos.

*Sabemos tão pouco do que estamos a fazer / neste mundo, que eu me pergunto a mim próprio se a própria dúvida não está em dúvida.

*Só temos alegrias se as repartirmos: a felicidade nasceu gémea.

*"É quando pensamos conduzir que geralmente somos conduzidos."

*"O bem raramente é produzido por um bom conselho."

*"O dinheiro é a lâmpada de Aladino."

*"Orgulho! desce os olhos dos céus sobre ti mesmo, e vê como os nomes mais poderosos vão se refugiar numa canção."

*"Toda a História humana atesta, que a felicidade para o Homem - o insaciável pecador! - desde que Eva comeu a maçã, depende em grande parte do jantar"

*""Aqueles que se recusam a serem chamados à razão, são intolerantes; aqueles que não conseguem, são idiotas; e aqueles que não se atraem, são escravos".

*"A dor é dona da sabedoria e o saber amargo. Aqueles que mais sabem, mais profundamente sofrem com a verdade fatal."

*"Há um prazer nas florestas desconhecidas;
Um entusiasmo na costa solitária;
Uma sociedade onde ninguém penetra;
Pelo mar profundo e música em seu rugir;
Amo não menos o homem, mas mais a natureza..."
Lord Byron

~***~
Uma taça feita de um crânio humano

Não recues! De mim não foi-se o espírito...
Em mim verás - pobre caveira fria -
Único crânio que, ao invés dos vivos,
Só derrama alegria.

Vivi! amei! bebi qual tu: Na morte
Arrancaram da terra os ossos meus.
Não me insultes! empina-me!... que a larva
Tem beijos mais sombrios do que os teus.

Mais vale guardar o sumo da parreira
Do que ao verme do chão ser pasto vil;
- Taça - levar dos Deuses a bebida,
Que o pasto do réptil.

Que este vaso, onde o espírito brilhava,
Vá nos outros o espírito acender.
Ai! Quando um crânio já não tem mais cérebro
...Podeis de vinho o encher!

Bebe, enquanto inda é tempo! Uma outra raça,


~# AUGUSTO DOS ANJOS#~

Author: Ravenna Raven: /

~# Augusto dos Anjos #~
20*04*1884 - 12*11* 1914

Augusto de Carvalho Rodrigues dos Anjos nasceu no engenho Pau d'Arco, Paraíba. De uma família de donos de engenhos, assistiu à decadência da antiga estrutura latifundiária, substituída pelas grandes usinas. Seu pai, bacharel, foi quem lhe ensinou as primeiras letras. Quando estava no curso secundário, Augusto começou a mostrar uma saúde delicada e um sistema nervoso abalado.
Em 1903, iniciou os estudos na Faculdade de Direito do Recife onde teve contato com o trabalho "A Poesia Científica", do professor Martins Junior. Formado em 1907, preferiu não advogar e ensinar português. Casou-se, em 4 de julho de 1910, com Ester Fialho.
Quase toda a sua obra poética está no seu único livro "Eu", publicado em 1912. Apesar de praticamente ignorado a princípio, pelo público e pela crítica, a partir de 1919 o livro foi constantemente reeditado como "Eu e outros poemas. No livro, Augusto dos Anjos faz da obsessão com o próprio "eu", o centro do seu pensamento. O egoísmo e angústia estão presentes ("Ai! Um urubu pousou na minha sorte"); assim como o ceticismo em relação ao amor ("Não sou capaz de amar mulher alguma, / Nem há mulher talvez capaz de amar-me").

#Agonia de filosófico#

Consulto o Phtah-Hotep.
Leio o obsoleto Rig-Veda. E, ante obras tais, me não consolo...
O Inconsciente me assombra e eu nele rolo Com a eólica fúria do harmatã inquieto! Assisto agora á morte de um inseto!
... Ah! todos os fenômenos do solo Parecem realizar de pólo a pólo O ideal de Anaximandro de Mileto!
No hierático areópago heterogêneo Das idéias, percorro como um gênio Desde a alma de Haeckel á alma cenobial!
... Rasgo dos mundos o velário espesso; E em tudo igual a Goethe, reconheço O império da substância universal!

#O Morcego#

Meia-noite. Ao meu quarto me recolho.
Meu Deus! E este morcego! E, agora, vede:
Na bruta ardência orgânica da sede, Morde-me a goela ígneo e escaldante molho. "Vou mandar levantar outra parede..."
- Digo. Ergo-me a tremer. Fecho o ferrolho E olho o teto.
E vejo-o ainda, igual a um olho, Circularmente sobre a minha rede!
Pego de um pau. Esforços faço. Chego A tocá-lo.
Minh'alma se concentra.
Que ventre produziu tão feio parto?! A Consciência Humana é este morcego!
Por mais que a gente faça, á noite, ele entra Imperceptivelmente em nosso quarto!

#Psicologia de um vencido#

Eu, filho do carbono e do amoníaco, Monstro de escuridão e rutilância, Sofro, desde a epigênese da infância, a influência má dos signos do zodíaco. Profundissimamente hipocondríaco, Este ambiente me causa repugnância... Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia Que se escapa da boca de um cardíaco.
Já o verme - este operário das ruínas - Que o sangue podre das carnificinas Come, e á vida em geral declara guerra, Anda a espreitar meus olhos para roê-los, E há de deixar-me apenas os cabelos, Na frialdade inorgânica da terra!

#A idéia#

De onde ela vem?!
De que matéria bruta Vem essa luz que sobre as nebulosas Cal de incógnitas criptas misteriosas Como as estalactites duma gruta?
Vem da psicogenética e alta luta Do feixe de moléculas nervosas, Que, em desintegrações maravilhosas, Delibera, e depois, quer e executa!
Vem do encéfalo absconso que a constringe, Chega em seguida às cordas da laringe, Tísica, tênue, mínima, raquítica...
Quebra a força centrípeta que a amarra, Mas, de repente, e quase morta, esbarra No molambo da língua paralítica!

#O lázaro da pátria#

Filho podre de antigos Goitacases, Em qualquer parte onde a cabeça ponha, Deixa circunferências de peçonha, Marcas oriundas de úlceras e antrazes.
Todos os cinocéfalos vorazes Cheiram seu corpo.
À noite, quando sonha, Sente no tórax a pressão medonha Do bruto embate férreo das tenazes. Mostra aos montes e aos rígidos rochedos A hedionda elefantíase dos dedos...
Há um cansaço no Cosmos... Anoitece.
Riem as meretrizes no Cassino, E o Lázaro caminha em seu destino Para um fim que ele mesmo desconhece!

#Idealizção da humanidade Futura#

Rugia nos meus centros cerebrais A multidão dos séculos futuros - Homens que a herança de ímpetos impuros Tomara etnicamente irracionais!
Não sei que livro, em letras garrafais, Meus olhos liam!
No húmus dos monturos, Realizavam-se os partos mais obscuros, Dentre as genealogias animais!
Como quem esmigalha protozoários Meti todos os dedos mercenários Na consciência daquela multidão...
E, em vez de achar a luz que os Céus inflama, Somente achei moléculas de lama E a mosca alegre da putrefação!

#A Noite#

A nebulosidade ameaçadora
Tolda o éter, mancha a gleba, agride os rios
E urde amplas teias de carvões sombrios
No ar que álacre e radiante, há instantes, fora.

A água transubstancia-se. A onda estoura
Na negridão do oceano e entre os navios
Troa bárbara zoada de ais bravios,
Extraordinariamente atordoadora.

A custódia do anímico registro
A planetária escuridão se anexa...
Somente, iguais a espiões que acordam cedo,

Ficam brilhando com fulgor sinistro
Dentro da treva omnímoda e complexa
Os olhos fundos dos que estão com medo!

#A um gérmen#

Começaste a existir, geléia crua,
E hás de crescer, no teu silêncio, tanto
Que, é natural, ainda algum dia, o pranto
Das tuas concreções plásmicas flua!

A água, em conjugação com a terra nua,
Vence o granito, deprimindo-o ... O espanto
Convulsiona os espíritos, e, entanto,
Teu desenvolvimento continua!

Antes, geléia humana, não progridas
E em retrogradações indefinidas,
Volvas à antiga inexistência calma!...

Antes o Nada, oh! gérmen, que ainda haveres
De atingir, como o gérmen de outros seres,
Ao supremo infortúnio de ser alma!

#A máscara#

Eu sei que há muito pranto na existência,
Dores que ferem corações de pedra,
E onde a vida borbulha e o sangue medra,
Aí existe a mágoa em sua essência.

No delírio, porém, da febre ardente
Da ventura fugaz e transitória
O peito rompe a capa tormentória
Para sorrindo palpitar contente.

Assim a turba inconsciente passa,
Muitos que esgotam do prazer a taça
Sentem no peito a dor indefinida.

E entre a mágoa que masc’ra eterna apouca
A humanidade ri-se e ri-se louca
No carnaval intérmino da vida.

#A um carneiro morto#


Misericordiosíssímo carneiro
Esquartejado, a maldição de Pio
Décimo caia em teu algoz sombrio
E em todo aquele que for seu herdeiro!

Maldito seja o mercador vadio
Que te vender as carnes por dinheiro,
Pois, tua lã aquece o mundo inteiro
E guarda as carnes dos que estão com frio!

Quando a faca rangeu no teu pescoço,
Ao monstro que espremeu teu sangue grosso
Teus olhos — fontes de perdão — perdoaram!

Oh! tu que no Perdão eu simbolizo,
Se fosses Deus, no Dia do juízo,
Talvez perdoasses os que te mataram!

#Abandonada#

Ao meu irmão Odilon dos Anjos

Bem depressa sumiu-se a vaporosa
Nuvem de amores, de ilusões tão bela;
O brilho se apagou daquela estrela
Que a vida lhe tornava venturosa!

Sombras que passam, sombras cor-de-rosa
- Todas se foram num festivo bando,
Fugazes sonhos, gárrulos voando
- Resta somente um’alma tristurosa!

Coitada! o gozo lhe fugiu correndo,
Hoje ela habita a erma soledade,
Em que vive e em que aos poucos vai morrendo!

Seu rosto triste, seu olhar magoado,
Fazem lembrar em noute de saudade
A luz mortiça d’um olhar nublado.

Blog Archive

About






AMIGOS DA HOUSE

#FACILIS DESCENSUS AVERNI#

A noite de imensa luz
O grito que não acaba
Tantas bocas que mastigam

facilis descensus averni!

A carne já não faz parte
A alma jaz carcomida
Mil gerações são corrompidas

facilis descensus averni!

A dôr de não sentir dôr
As lágrimas de rubro sabor
As chagas a balbuciar

facilis descensus averni!

Abantêsmas de negro altar
Com pútrida infecção
Sussuram em ade hostil
A dádiva da perdição.

Palavras em cacos de vidro
Conselhos de um desgraçado
Uma voz de negro fel
Com o timbre enfarpado.

Não há mais salvação,
Tu és "caro data vermibus"
E em unissono ressoam...

FAcilis Descensus Averni...Averni...Averni...Averni...

(Iam Godoy)


#10 PASSOS PARA MORRER#

No primeiro passo olhei para trás e vi alguém me seguindo
No segundo achei uma garrafa
No terceiro um cigarro aceso
No quarto uma mulher
No quinto uma arma
No sexto atirei na mulher
No sétimo larguei a arma
no oitavo achei um espelho
No nono descobri que eu era a mulher que matei
No décimo levei um tiro de quem me seguia,
Ele fumava e bebia.

(Adriano Siqueira)


#HINO AO DESESPERO#

Eu tenho sede
Sede de água de rio lamacento na seca

Sede de vinho
de taça de vidro cravada no peito

Sede de lágrima
De virgem podre na tumba.

Sede de sangue
De rato por vampiro sugado

Sede de cuspe
De freira que do beijo se enoja.
Eu tenho sede de morte
De morte condenada
À imortalidade.

(Alessandro Reiffer)

#CATEDRAL#

Esse túmulo de mortos
Tem pinturas de anjos feios;
Concretos de cores negras
Que de sujeira estão cheios.

Cristo chora e sofre em sangue
Na cruz acima do altar.
a triste canção do orgão
Traz sombras para o lugar.

Eu tento ficar em paz
No Silêncio dessa igreja
Um desejo que jamais
Aqui dão a quem deseja.

Ecoam gritos de dor
Por todo este lugar santo,
São trevas num cobertor
Que me cobre como um manto.
As pessoas vêm aqui
apenas para rezar
Mas qualquer cristão orando
Sempre começa a chorar.
E eu ouço a dor do cristão,
Dor que dói demais sentir
Premendo meu coração,
Começando a me ferir!

(Arcano Soturno)

#GÉLIDO#

Como um morto, não tenho sentimentos.
Tão gélido, meu olhar não se expressa.
Essa brisa congela meus tormentos,
Pareço no seu amor não ter pressa.

O que tortura é o seu lugar preenchido,
Essa ilusão de por mim ser amada.
Falsa esperança tenho prometido,
Sorumbática amante fracassada.

Eu não sofro por ti ser desejado.
Sofro ao saber que por ti sou amado,
Nesse amor que pra ti vira inferno.

Iconoclasta, quebra meu amor
E me constrange a dar-te nessa dor
Rosas brancas para o teu sono eterno.

(Arcano)


#EU SOU#

Seu pesadelo, o mal infinito
Seu medo, o desejo mais bonito
Sou seu carma, teu destino
sou seu destemido vampiro.

Eu sou o motivo de sua dor
Sua agonia, sua anêmia seu terror
Sou a encarnação do mal
Sou seu dono, você meu animal.

Sou um parasita hospedeiro
Moribundo poderoso, que se alimenta de seu desespero
Sou aquele que sua mente cansa,
Que teu corpo chama.

Que teu sangue consome
E com sua vida aos poucos some.
Sou toda a emanação negativa,
Sou a personificação do mal,

Amo assassinar
Sou seu mestre...
Eu sou Vampiro...

(Guto Sioux)


#ANUNCIAÇÃO#

Há anos de datas perdidas
Acontecia a anunciação,
Vida nascendo do trigo
Morte nascendo do pão

Em passos sutis, dançavam
As gêmeas em precisão
Criando a fase de vida
Morte, paz e destruição

O toque tátil que continhas
Era como o beijo de um querubim,
Mutante, deveras estranho,
Mordia e rasgava em mim.

Tão iguais, diferentes assim
Qual será tua progenitora?
A bela dama do campo
Ou a mais fria caçadora?

Olhos celestes, boca infernal
Junção mística ou real,
Qual o nome sagrado
das damas do bem e do mal?

Há anos de datas perdidas
aconteceu a anunciação.
A negra maldade era a luz
E a alva paz, a escuridão.

(Iam Godoy)


#RENEGADOS#

Ela os aceitou assim como eles eram

Excomungados, regeitados,
Deu sua força, sua benção sem pedir nada em troca
Sem cobrar nada...tocando-os com seus véus delicados.

Entre eles havia uma depêndencia
A noite os alimentava, os protegia.
Até os dias recentes ela é cheia de mistérios,
Segredos...e magia.

Eles sabiam...todos, cada um deles,
Fossem os bons ou ruins.
Quando procuravam seu alimento sagrado
Ela os guiava por caminhos, seguros ou não, com trilhas bifurcadas que pareciam não ter fim.

Se aventuravam e se saciavam mas,
Regressavam ainda em sua companhia,
Para seu descanso até a noite seguinte
Que quem dera fosse eterna, extinguindo- se assim a luz do dia...!

(R.Raven)

*DEVANEIOS*

Sou a chama que queima em seu pensamento

A árvore que balança com o sopro do vento.

Sou a arte que brinca em seus dedos
Sou o ardor que corrompe seu ser
Sou o pesadelo que te persegue em seus sonhos
E cada segundo quando pensa em morrer

Sou o desejo que eleva seu membro viril.
Sou o seu devaneio do mais belo ao mais hostil

Na escuridão sou a bruma que lhe envolve
Sou o ódio seu alimento pela vida
Sou o sangue seu alimento após a Morte...

(R.Raven)

*FINADOS*

Estou e ainda existo,

a terra meu mais novo cisto,

Meu berço úmido, meu novo sono

Minha manta, as folhas caidas do outono.

As lágrimas dos inconformados

Banhando a cidade de pouca vida

De mármore feito e talhado

Com frases e fotos comidas.

Por quê me abandonaste assim?

Por quê me negou seu amor?

assim derrubaste o querubim

No negrume eterno da dor.

A pá, minha única espada

O esquife, meu castelo verdadeiro.

A terra, o meu campo de batalha

A morte, meu fiel escudeiro.

(Iam Godoy - 1999)

*NEVAR*

É noite...

Chegaste num vôo louco

Bruma intempérie a planar

Nos arredores do chão.

A vida...

Que corre nas vilas

Em forma de pais, mães e filhas

É a sua obcessão.

Quem dera...

O abraço de suas lúgubres asas

Fôsse a benção que minh'alma

Ansiava por receber.

Tua boca...

Mapeando minha face ponto a ponto, explorada

Na beleza do MORDER.

Nesta face...

Que brilhava em alvo mármore

Bem tratado e sutil

Jamais visto por aqui.

Tão lasciva...

Pela força, libertadas

Brotaram de sua boca, ativa

Gotas do mais puro rubi.

É Noite - A Vida...

Quem dera - Tua boca...

Nesta face - Tão lasciva!

(II)

Então você partiu

Com os lábios e os seios

banhados de fresca vida

deixando-me o estigma.

Do choro rubro do corpo

Que formava entre as curvas

O mapa do fim da vida.

Passaram-se séculos

E o flâmeo ósculo, tilinta

O meu doentil pensar:

- Se és de morte nosso caminho

Se é, em pó e sombras

Que vamos terminar;

Quão maldita vida lança

Que vamo-nos trilhar?

(Iam Godoy)

#EU NÃO#

Eu não sou para ser o que não sou

Para viver a vida

que para todos é a vida, que não é a vida

para mim.

Antes não estivesse estado aqui

nem escrito o que escrevi

versos inuteis que no fundo, bem no fundo

ninguem nunca vai - me ler

é que no fundo essa vida

Como dizem que é a tal vida não vale a pena viver

é que as normas e as regras

que me dizem para que siga

não me servem

não me valem

não me seguem

não me são

Eu não sou

não posso ser humano

sinto nojo do que é igual

náuseas do real

tenho asco de tudo

não me adapto a nada, jamis achei o endereço

que me deram neste mundo

jamais achei o mundo de que tenho o endereço

jamais achei - me:

É que nunca estou onde penso que sou EU

(Alessandro Reiffer)

#SOB OS ESCOMBROS#

Ermo estranho...
Vísceras sangrando sem
espanto.
Um pedestal escuro no
relâmpago, o ouro
brilhando.

Pergaminhos voando...
O vento corroendo um
monte de besteiras.
Corrompendo a alma
das Trevas visionária.

Que eu saiba então ser
a misericórdia das bestas.

Pois que este ermo
são elas vestidas de
luto e rosas negras.

Ah! Esta é a minha
Língua mais
fantasmagórica!...

(Ana Dominik Spuk)

#MÁRMORES E CETINS#

Faz tempo vi a lua.
Esdrúxula e temporária
como o sangue
ácido.
Agora o tempo são as
horas,
senhoras moças
fazendo rendas pretas.
Caio de joelhos ante ao
vampiro que me escora.
Sábio...
Ele é a lua,
nu, cru,
Jura-me sua perene
alvura.
Hoje é dia de ver o
fogo...
A lua, o vampiro,
estão dentro de mim
tecendo mármores
e cetins.

#DIÁLOGO FRIO#


Genuína Sombra,
que me socorre e
me põe em febre.
Diria a Ti um mundo
de juras,
Estas tantas meninas
de além-mundos.
Estes hálitos mornos
por vezes caóticos.
Mas Sombra, na minha
discórdia com o clarão de
alguns reis insólitos,
Aqui no fundo Te cumprimentei...
Tua Mão que me levantou de
um túmulo.

(Ana Dominik Spuk)

#CADÁVER#

Gritos são ouvidos nas trevas
Choques, pontapés, tapas e socos
Dilaceram um corpo pendurado
Com carne no açougue.

Torturadores exigem respostas
De um estudante vazio de perguntas.
Seu sangue escorre pelo rosto
Enquanto navalhadas cortam-lhe o peito.

Voz e a razão
Não mais lhe habitavam
Somente seu silêncio:
O estudante finalmente estava “livre”...

Dias depois um corpo
Em estado de putrefação fora encontrado.
Mais uma vez apenas o silêncio:
Ninguém viu
Ouviu,
Sequer falou...

(Agamenon Troyan)

# CICLO DO VENTO FRIO#

Dos impróprios ventos que te gelam

Vem a força da morte que te acompanha
Espasmos de vida inútil
Cercam teus dias infindáveis
Lançando um sopro de amargo beijo

Beijos sem propósitos
Disfarces de um sentimento impuro
Amor é balela... Resto de ilusão
Cumpra teu tempo, menos que precisa
Corte tudo ao redor
Molde tuas casas, imensas, vazias
Mude
Mudo
Cale-se para o vento
Ouça o que ele tem a lhe dizer
Congele-se diante dele

Da frieza da tua pele
Sairão os vermes que te consomem em vida
Na morte espalham tua essência
Teus pedaços digeridos entranhando na terra
Alimentando novas flores

A menina passeia no parque
Sente o perfume da rosa
Inala teus restos pútridos banhados em pétalas
E assim continuas teu ciclo

(M.D.Amado)

~# STILLA VERBIS #~

~# STILLA VERBIS #~

~* CADAUVERIBUS *~

~* CADAUVERIBUS *~

~# R.RAVEN #~

Minha foto
Grande apreciadora da arte soturna em todas as suas variações...edito os blogs "Vroloc Web Zine" "Cantos e Contos Escuros" " Na Pena do Corvo" "Dark Places" "Stay Dark" tambem o e-zine em PDF "Flores Do Lado De Cima" que está na 04 edição dedicado a cultura Soturna... Se você pertence a esse mundo de poesia e arte seja muito bem vindo sinta-se em casa... R.Raven Ravens House Brasil

OBSCURECIDOS

Slider

~#DARK# ~